O Mensageiro  -  Revista Espírita-Cristã do Terceiro Milênio 

Título :
Se os Teus Olhos Forem Bons...

Autor:
Medeiros Corrêa Junior

Fonte:
Livro: Em Verdade Vos Digo...

ARTIGOS

     

Há quem pense que o pecado só se consuma pelo ato inferior. O ato, na verdade, é a derradeira fase do processo pecaminoso. No coração em trevas, o desejo de pecar nasceu. A infração da lei moral teve inicio, e, idealmente, já se completou. O mais é apenas a concretização, num fato ilícito, daquele desejo mau do espírito fraco.

E como surge no coração invigilante esse desejo? Aqui verificamos, mais uma vez, a profundeza do ensino de Jesus: A candeia do corpo são os olhos. Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz. Se forem maus, o teu corpo será tenebroso.

É, pelos nossos olhos, portanto, que funcionam como janelas para a alma, que o mundo, nos seus variados aspectos, é visto por nós. Eles, pela maneira com quem fitarem os horizontes cotidianos da existência humana, iluminarão ou escurecerão os nossos espíritos. Jesus fala em luz e em treva, para definir a natureza dos sentimentos que abrigamos, depois que as nossas retinas filtraram para a alma a cor e a forma externas.

Quando os olhos fitam com simplicidade, sem malicia e sem maldade, um orvalho radioso banha todo o ser, fazendo brotar no coração sentimentos dignos e anseios imaculados. Quando a retina fixa homens e cousas com inveja, com cobiça, com concupiscência, com orgulho, com vaidade, com egoísmo, um brilho sinistro relampeja no céu interior, o coração passa a desejar o pior, a criatura vive inquieta pelo fermento do pecado que vai levedar toda a sua vida moral, o cérebro ensombrado entra em desequilíbrio, para a queda fatal nos abismos da perdição e da morte...

Será prático, no sentido de utilidade espiritual, contemplarmos a vida de todos os dias, na plenitude caleidoscópica, com essa visão límpida e correta, sem os estrabismos do ódio, da avareza, da maledicência, da ironia, a fim de que em nossas almas corram os filamentos de luz, que Deus vê com alegria e abençoa com intenso amor.

Não olhemos com astúcia perversa, com sagacidade criminosa, com falsidade sorridente, com dolo escondido! Fitemos tudo com a mesma ingênua euforia de uma criança, para que em nossos corações floresçam os mais simples, os mais brandos desejos!

A luz que acendermos agora será nosso archote nas veredas da eternidade, na jornada para o infinito!

Se olharmos com pureza e bondade, encontraremos essa luz em nosso caminho terrenal, traduzindo-se em paz de consciência e em sensações indescritíveis, como a encontraremos depois de nossa morte, fielmente à nossa espera para a grande imersão no oceano da Divina Luz!

Com luz em nosso espírito, estaremos tecendo a veste nupcial para a união sacrossanta! Os convidados ao banquete angélico que comparecerem com túnicas negras não lograrão permanecer na Casa Branca de Deus!

Desde hoje, amigo meu, pensa bem como olhas tuas irmãs, teus irmãos, dentro da família humana, e como te comportas diante das propriedades, do gado, de todas as posses de teu próximo. Tira de teus olhos toda a malignidade, conservando em teus dias na Terra aquele olhar de humildade e candura de Jesus na manjedoura, ostentando aquele olhar de amor e perdão de Jesus no Calvário!